Papo de Mãe

A eterna incompreensão do todo.

A gente sempre acha que a dor da genabraçote é mais dolorida que a dor do vizinho.

Prometi pra mim mesma não mais me manifestar em assuntos de grande comoção social, desses que todo mundo opina, como é o caso de Mariana ou de Paris. Estado Islâmico, Síria, petróleo, muçulmanos e cristãos, gays, violência de gênero, política… Não, não me entenda mal, não sou insensível. Quem me conheceu há 15 anos sabe o quanto eu poderia brigar defendendo aquilo no qual acreditava.  Só que um belo dia resolvi que não queria mais argumentar simplesmente porque, na realidade, nunca sabia, de fato, tudo sobre um assunto. Descobri que padecia uma síndrome chamada #síndromeestousempreatrasada. “Péra”, eu explico:

Desde pequena, sinto que nunca detenho as informações suficientes pra entender algo completamente. Nas aulas de História, o problema era a bendita História Antiga. Na Matemática, a maldita trigonometria. No Direito, as aulas de Economia. Na Espanha, os motivos do ETA. No trabalho, as picuinhas. Na vida, a intolerância…

Por isso, na minha ignorância do tamanho de um elefante, quando escuto notícias de tragédias, massacres e injustiças ou até mesmo as fofocas nossas de cada dia, nunca consigo entender o todo. Aquele segundo antes do ocorrido. Aqueles anos que antecederam o momento do causo.

Semana passada a Sofia chorou porque não queria mais voltar à escola.

-Por quê? perguntei.

-Porque os meninos ficam xingando você.  – respondeu com lágrimas nos olhos.

– Ah, respondi. Não se importe. Ignora que passa – disse com ar de superioridade.

– Não mãe, eles ficam falando que você é homem porque tem cabelo curtinho…

– Hahaha sério? Ah, não dê bola. Mesmo. Eles são ignorantes, filha. ignoram que mulher pode usar o cabelo que quiser. Além disso, eles não conhecem os poderes “visagísticos” da minha mandíbula, né?! Releve.

– Mas um deles me chutou.

– Queeeeeê??

– Sim, ele disse que minha mãe e minha família eram vacas. E eu respondi que era a dele. Aí ele começou a me chutar. E me chuta sempre.

– Ahhhh não. Vaca é só um bicho. Mas chutar não pode. Você gritou? Pediu ajuda pras tias?

– Não. Eu tive medo….

Ahhhh o medo…. Quantas vezes os inseguros e covardes chutam a canela da gente só continuar manipulando com o medo. Essa tática é mais antiga que a roda!

Bom, é óbvio que eu fui na escola falar. A justificativa:  – ah, os meninos, nessa fase, quando gostam de uma menina, criam situações para chamar a sua atenção.

– Aham, respondi. Esse é um paradigma seu e de muita gente, mas não é o nosso. Lá em casa, quando a gente gosta de alguém, se faz carinho e se diz coisas bonitas.

E de novo, aquela sensação da infância de eterna incompreensão dos porquês. Do, como assim?? A eterna incompreensão do todo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s